NOTÍCIAS

O que é a poluição do ar e quais os malefícios para nosso corpo?

23
01

A poluição do ar gera diversos tipos de malefícios para o corpo humano. A fumaça do escapamento dos carros, por exemplo, libera partículas no ar que podem penetrar no pulmão, corrente sanguínea e até chegar ao cérebro. A mais perigosa delas é chamada PM 2.5. É uma pequena partícula, que chega a ser vinte vezes menor que um único grão de areia.

 

Algumas partículas maiores podem ficar presas no nariz. Já as menores conseguem penetrar no corpo. No cérebro, por exemplo, podem provocar o rompimento da conexão de células cerebrais.

 

Cientistas britânicos acreditam que a poluição do ar pode gerar efeitos sérios, como demência, ataque de coração e o encurtamento do tempo de vida.

Também pode causar problemas respiratórios, como asma, e prejudicar o desenvolvimento pulmonar de crianças.

 

Fonte: G1/Saúde

 

Jornada Mundial da Juventude: especialistas alertam para vacinação

21
01

Brasileiros que vão participar da Jornada Mundial da Juventude, no Panamá, entre os dias 22 e 27 de janeiro, devem ficar atentos à caderneta de vacinação. O alerta é da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), diante da estimativa de que o evento reúna cerca de meio milhão de participantes de mais de 100 países, o que facilita a disseminação de doenças infectocontagiosas.

 

Na última edição, em 2016, na Polônia, a delegação brasileira, com cerca de 13 mil participantes, foi a terceira mais numerosa, atrás somente da polonesa e da italiana.

A orientação é que o calendário vacinal esteja atualizado, com especial atenção para as vacinas contra a febre amarela, exigida para a entrada no Panamá, a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), a tríplice bacteriana (difteria, tétano e coqueluche), a hepatite A; e a poliomielite. A dose contra a meningite (a ACWY, se possível) também foi recomendada pela entidade.

 

Conforme o comunicado, o Panamá, assim como o Brasil, é área classificada como de risco para dengue e zika. É recomendável, portanto, o uso de repelentes durante a jornada.

 

OMS lista as principais ameaças para a saúde em 2019

21
01

Surtos de doenças preveníveis por vacinação, altas taxas de obesidade infantil e sedentarismo, além de impactos à saúde causados pela poluição, pelas mudanças climáticas e pelas crises humanitárias. Estes são alguns dos itens que integram a lista das 10 principais ameaças à saúde global em 2019, divulgada nesta semana pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Dados da entidade mostram que doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, câncer e doenças cardiovasculares, são responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo – o equivalente a 41 milhões de pessoas. Isso inclui 15 milhões de pessoas que morrem prematuramente (entre 30 e 69 anos), sendo que mais de 85% dessas mortes prematuras ocorrem em países de baixa e média renda.

 

Pandemia de influenza: O mundo enfrentará outra pandemia de influenza – a única coisa que ainda não se sabe é quando chegará e o quão grave será. O alerta é da própria OMS, que diz monitorar constantemente a circulação dos vírus para detectar possíveis cepas pandêmicas.

 

Resistência antimicrobiana: A resistência antimicrobiana – capacidade de bactérias, parasitos, vírus e fungos resistirem a medicamentos como antibióticos e antivirais – ameaça, segundo a OMS, mandar a humanidade de volta a uma época em que não conseguia tratar facilmente infecções como pneumonia, tuberculose, gonorreia e salmonelose. “A incapacidade de prevenir infecções pode comprometer seriamente cirurgias e procedimentos como a quimioterapia”, alertou.

 

Ebola: No ano passado, a República Democrática do Congo passou por dois surtos de ebola, que se espalharam para cidades com mais de 1 milhão de pessoas. Uma das províncias afetadas também está em zona de conflito ativo. Em dezembro, representantes dos setores de saúde pública, saúde animal, transporte e turismo pediram à OMS e seus parceiros que considerem 2019 um "ano de ação sobre a preparação para emergências de saúde".

 

Vacinação: Segundo a OMS, a relutância ou a recusa para vacinar, apesar da disponibilidade da dose, ameaça reverter o progresso feito no combate a doenças evitáveis por imunização. O sarampo, por exemplo, teve aumento de 30% nos casos em todo o mundo. “[A vacina] é uma das formas mais custo-efetivas para evitar doenças – atualmente, previnem-se cerca de 2 milhões a 3 milhões de mortes por ano", diz a OMS. Além disso, 1,5 milhão de mortes poderiam ser evitadas se a cobertura global de vacinação tivesse maior alcance.

 

Cientistas brasileiros desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca

18
01

Pesquisadores da USP desenvolveram uma molécula que pode melhorar o tratamento de insuficiência cardíaca, problema que atinge pessoas que tiveram um infarto, doença de Chagas ou até hipertensão. A pesquisa, resultado de dez anos de estudos, foi publicada nesta sexta, dia 18 de janeiro, na revista "Nature Communications". Batizada de "Samba", sigla para 'Selective Antagonist of Mitofusin 1 and Beta2-PKC Association', a molécula criada pelos cientistas foi testada em ratos. Segundo o coordenador do estudo, o professor Julio Cesar Batista Ferreira, da USP, ela foi capaz de melhorar o problema no coração dos animais ao impedir a ligação entre duas proteínas que existem nas células do órgão.

Quando elas se juntam, explica Ferreira, essas duas proteínas danificam o "motor" das células do coração, a mitocôndria. Isso faz com que o órgão perca a capacidade de contrair e relaxar: daí surge a insuficiência cardíaca.

 

Para entender o que acontece em um coração doente, os cientistas examinaram corações descartados de pacientes que tinham recebido um transplante do órgão. A partir dali, descobriram que, em pessoas que tinham desenvolvido o problema, havia essa ligação entre as proteínas. Com o resultado promissor da aplicação da Samba nos ratinhos, a molécula pode ser, no futuro, uma possibilidade de tratamento para a insuficiência cardíaca em humanos, mas ainda serão necessários mais testes. Segundo Ferreira, os tratamentos atuais para a insuficiência cardíaca, apesar de ajudarem o paciente, não garantem uma boa qualidade ou expectativa de vida. A Samba representa uma possibilidade de efeito adicional ao que já existe hoje, diz.

 

Os cientistas já solicitaram a patente da molécula e a aplicação dela nos Estados Unidos. Além da equipe da USP, o estudo também teve a participação de pesquisadores da universidade de Stanford e de Case Western, nos EUA.

 

Fonte: G1 Saúde.

 

Julho Amarelo: lei institui mês de combate a hepatites virais

16
01

Lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro e publicada no Diário Oficial da União institui o Julho Amarelo para combate às hepatites virais. De acordo com o texto, a campanha deve ser realizada todos os anos, em todo o território nacional.

 

Grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, a hepatite é uma inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus ou pelo uso de remédios, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.

 

O Ministério da Saúde alerta que as hepatites virais são doenças silenciosas, que nem sempre apresentam sintomas. Quando estes aparecem, podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

 

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda os vírus D e E, sendo que o último é mais frequente na África e na Ásia. Milhões de pessoas no Brasil, segundo a pasta, são portadoras do vírus B ou C e não sabem.

“Elas correm o risco de as doenças evoluírem (tornarem-se crônicas) e causarem danos mais graves ao fígado, como cirrose e câncer. Por isso, é importante ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina que detectam a hepatite”, destaca o ministério.

 

Brasil tem 10.274 casos confirmados de sarampo

10
01

Desde o início do ano passado até 8 de janeiro de 2019, o Brasil registrou 10.274 casos confirmados de sarampo. Atualmente, o país enfrenta dois surtos da doença: no Amazonas, onde há 9.778 casos e, em Roraima, onde foram contabilizados 355 ocorrências. Casos isolados foram anotados em São Paulo (3), Rio de Janeiro (19), Rio Grande do Sul (45), Rondônia (2), Bahia (2), Pernambuco (4), Pará (61) e Sergipe (4), além do Distrito Federal (1).

 

Foram registrados ainda 12 óbitos por sarampo: quatro em Roraima, seis no Amazonas e dois no Pará. Os surtos, segundo o Ministério da Saúde, estão relacionados à importação, já que o genótipo do vírus que circula no Brasil é o mesmo da Venezuela, país com surto da doença desde 2017.

 

Por meio de nota, o ministério informou que a explosão de casos confirmados no Amazonas é resultado de uma força-tarefa realizada no final de 2018 em Manaus, quando mais de 7 mil casos que estavam em investigação foram concluídos.

 

Vacinação

De janeiro de 2018 até janeiro deste ano, o ministério encaminhou 15,5 milhões de doses da vacina tríplice viral para atender a demanda dos serviços de rotina e a realização de ações de bloqueio nos seguintes estados: Rondônia, Amazonas, Roraima, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Sergipe, além do Distrito Federal.

 

Fonte: Agência Brasil.

 

OMS: Mundo registrou 30 casos de pólio em 2018

08
01

Há 30 anos, o vírus selvagem da poliomielite paralisava cerca de 350 mil crianças em mais de 125 países todos os anos. Dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que, em 2018, apenas 30 casos da doença foram notificados em dois países – Afeganistão e Paquistão. O mundo, segundo a entidade, está à beira de um sucesso sem precedentes na saúde pública: a erradicação global da doença.

 

De acordo com a nota, a erradicação da pólio exige altas coberturas vacinais em todo o planeta para que se consiga bloquear a transmissão de um vírus extremamente contagioso. Infelizmente, segundo a OMS, algumas crianças permanecem sem acesso às doses adequadas por motivos diversos, incluindo falta de infraestrutura, localidades remotas, migração, conflitos, insegurança e resistência à vacinação.

 

“A meta das equipes em solo no Afeganistão e no Paquistão é muito clara: localizar e vacinar todas as crianças antes que o vírus chegue até elas. Esses países alcançaram enorme progresso. Há 20 anos o poliovírus paralisava mais de 340 mil crianças em todo o Paquistão. Em 2018, apenas oito casos foram reportados em alguns distritos.”

 

A OMS destacou, entretanto, que o processo de erradicação da pólio deve ser um esforço no sentido “tudo ou nada” e que uma possível falha em acabar com esses últimos redutos poderia resultar no ressurgimento da doença, chegando a até 200 mil novos casos em todo o mundo num prazo de dez anos.

 

“Estamos no caminho certo para alcançar o sucesso. Um Paquistão e um Afeganistão livres da pólio significam um mundo livre da pólio”, concluiu a organização, citando que a erradicação da doença poderia economizar entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões, sendo a maioria em países de baixa renda. “E os benefícios humanitários serão sustentados para as gerações futuras: nenhuma criança jamais seria afetada novamente por essa terrível doença”.

 

Substância encontrada em frutas pode ajudar contra picada de jararaca

03
01

Pesquisa feita no Instituto Butantan demonstrou que uma substância encontrada em plantas e frutas tem efeito protetor contra o veneno da cobra jararaca. A pesquisa, que foi realizada em 72 camundongos, mostrou que a rutina, uma molécula comum em plantas e alimentos, foi capaz de protegê-los de problemas de sangramento e de inflamação decorrentes do veneno da serpente. O trabalho é de Marcelo Larami Santoro, Ana Teresa Azevedo Sachetto e Jaqueline Gomes Rosa, produzido pelo Laboratório de Fisiopatologia do Butantan, em São Paulo.

 

A rutina é um flavonoide que serve de pigmento a diversos vegetais e frutas, tais como cerejas, framboesas e maçãs, dando a eles cores vibrantes, com alto poder antioxidante e anti-inflamatório. O efeito observado na pesquisa poderá ajudar no tratamento das picadas de serpentes, principalmente nos considerados secundários, tal como a formação de coágulos sanguíneos.

 

O veneno da jararaca responde por cerca de 70% dos acidentes com serpentes peçonhentas no estado paulista. A pesquisa sugere que a rutina tem um grande potencial como uma droga auxiliar em conjunto com a terapia antiveneno para tratar picada de cobra, particularmente em países onde a disponibilidade de antiveneno é escassa.

 

Melhores Sucos Detox emagrecedores para perder barriga

03
01

Os sucos detox ajudam a emagrecer e limpar o organismo porque têm poucas calorias e são ricos em nutrientes que melhoram o funcionamento do intestino e do fígado. Além disso, esses sucos têm ação antioxidante, ajudando a fortalecer o sistema imunológico e são ricos em fibras, que melhoram o trânsito intestinal.

 

O ideal é tomar cerca de 500 ml de sucos detox diariamente, juntamente com uma alimentação saudável, para que os efeitos dos vegetais sejam potencializados.

 

1. Suco verde de couve, limão e pepino

 

Ingredientes

  • 1 folha de couve

  • suco de ½ limão

  • 1/3 de pepino sem casca

  • 1 maçã vermelha sem casca

  • 150 ml de água de coco

  •  

Modo de preparo: Bater todos os ingredientes no liquidificador, coar e beber a seguir, de preferência sem açúcar. Veja os benefícios do pepino e saiba porque ele emagrece.

 

2. Suco de couve, beterraba e gengibre

Cada copo de 250 ml de suco tem aproximadamente 147 calorias.

 

Ingredientes

  • 2 folhas de couve

  • 1 colher de folhas de hortelã

  • 1 maçã, 1 cenoura ou 1 beterraba

  • 1/2 pepino

  • 1 colher de café de gengibre ralado

  • 1 copo de água

Modo de preparo: Bater no liquidificador todos os ingredientes, coar e beber a seguir.

 

3. Suco detox de tomate

Cada copo de 250 ml de suco tem aproximadamente 20 calorias.

 

Ingredientes

  • 150 ml de suco de tomate pronto

  • 25 ml de suco de limão

  • Água com gás

  •  

Modo de preparo: Misturar em um copo os ingredientes e adicionar gelo na hora de beber.

 

Termômetro e medidor de pressão com mercúrio serão proibidos em 2019

03
01

Desde o dia 1º de janeiro de 2019, está proibida em todo o país a fabricação, a importação e a comercialização de termômetros e de esfigmomanômetros (aparelhos para verificar a pressão arterial) que utilizam coluna de mercúrio para diagnóstico em saúde.

A medida, publicada no Diário Oficial da União em março de 2017, também inclui a proibição do uso desses equipamentos em serviços de saúde, que deverão fazer o descarte adequado.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que a determinação, aprovada pela própria pasta e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), cumpre o compromisso assumido pelo Brasil na Convenção de Minamata, que debateu os riscos do uso do mercúrio para a saúde e para o meio ambiente. A convenção, assinada pelo Brasil e por mais 140 países em 2013, tem como objetivo eliminar o uso de mercúrio em diferentes produtos.

A resolução, entretanto, não veta o uso doméstico de termômetros de mercúrio para quem que já possui o equipamento. “A população poderá continuar usando os termômetros domésticos, mas com o devido cuidado no armazenamento e na manipulação para que não ocorra a quebra do vidro”, alertou o ministério, citando que, se o produto estiver em boas condições e íntegro, não há problema à saúde.

Caso o usuário deseje se desfazer do termômetro de mercúrio, a orientação é mantê-lo provisoriamente em casa até a divulgação, pela pasta e pela Anvisa, dos pontos de recolhimento. Em caso de quebra, devem ser tomadas as seguintes precauções:

 

- Isolar o local e não permitir que crianças brinquem com as bolinhas de mercúrio;

- Abrir as janelas para arejar o ambiente;

- Recolher com cuidado os restos de vidro em toalha de papel ou luvas e colocar em recipiente resistente à ruptura, para evitar ferimento;

- Localizar as “bolinhas” de mercúrio e juntá-las com cuidado, utilizando um papel cartão ou similar, evitando contato da pele com o mercúrio. Recolher as gotas de mercúrio com uma seringa sem agulha. As gotas menores podem ser recolhidas com uma fita adesiva;

- Transferir o mercúrio recolhido para um recipiente de plástico duro e resistente ou vidro, colocar água até cobrir completamente o mercúrio a fim de minimizar a formação de vapores de mercúrio, e fechar o recipiente;

- Identificar/rotular o recipiente, escrevendo na parte externa “Resíduos tóxicos contendo mercúrio”;

- Não usar aspirador, pois isso vai acelerar a evaporação do mercúrio, assim como contaminar outros resíduos contidos no aspirador.

 

 

Veja os alimentos que melhoram a memória

19
12

Se uma alimentação saudável faz bem para o corpo, que dirá para o cérebro. Estudos comprovam que alguns ingredientes têm mesmo uma afinidade especial com a massa cinzenta. Conheça agora os principais alimentos que turbinam a memória e renove o cardápio para melhorar suas habilidades cognitivas.

 

As hortaliças de coloração verde-escura concentram um mix de substâncias parceiras do sistema nervoso, daí porque não podem faltar no cardápio ao longo de toda a vida. É só escolher sua preferida e caprichar na receita. O abacate deveria fazer parte do dia a dia. Apesar das calorias, a polpa cremosa é um concentrado de substâncias que, entre inúmeras funções, blindam a massa cinzenta.

 

Encha seu copo com suco de uva roxa integral e faça um brinde: vida longa aos polifenóis! São esses os compostos responsáveis pela fama da bebida. Em Porto Alegre, um experimento realizado com 35 idosas comprovou que o consumo diário de 400 mililitros melhora a função cognitiva. Não bastasse, eles promovem um aumento nos níveis de BDNF, proteína que estimula novas conexões entre as redes de neurônios, bem como a renovação dessas células.

 

Memorize este nome: oleocantal. A nutricionista Vanderli Marchiori, presidente da Associação Paulista de Fitoterapia, relata que já há evidências de que a substância reduz o risco de Alzheimer. Mas nem só de oleocantal se faz o azeite de oliva. Ele concentra gordura monoinsaturada e uma porção de antioxidantes. Não à toa ter recebido a alcunha de defensor da memória.

 

Anote e cole na porta da geladeira: salmão, atum, sardinha, arenque e cavalinha devem aparecer pelo menos duas vezes por semana no cardápio. Bombons e tabletes de chocolate são sinônimo de felicidade, e a ciência já mostra que o bem-estar emocional é um guardião do cérebro. Mas é preciso esclarecer que os atributos do chocolate são, na verdade, originários de sua principal matéria-prima, o cacau. É a composição do fruto que está por trás de efeitos antioxidantes e promotores da boa circulação sanguínea.

 
*Texto adaptado de Minha Saúde
 

Mortes por câncer chegarão a 9,6 milhões em 2018

17
12

O câncer vai tirar as vidas de 9,6 milhões de pessoas em 2018, representando uma em cada oito mortes entre homens e uma em cada 11 mortes entre mulheres, informou a agência de pesquisa sobre câncer da Organização Mundial da Saúde.

 

Em seu relatório Globocan, que detalha a prevalência e a taxa de mortalidade de vários tipos de câncer, a Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC) disse que estimados 18,1 milhões de novos casos de câncer surgiram neste ano.

 

O número é superior aos 14,1 milhões de novos casos e às 8,2 milhões de mortes previstos em 2012, quando a última pesquisa Globocan foi publicada.

 

O IARC disse que o fardo crescente do câncer, caracterizado como o número de novos casos, a prevalência e o número de mortes pela doença, se deve a vários fatores, como o desenvolvimento social e econômico e as populações maiores e mais velhas.

 

Em economias emergentes, disse, também há uma transição de formas de câncer relacionadas à pobreza e a infecções para formas de câncer ligadas a estilos de vida e dietas mais típicas de países ricos.

 

Fonte: OMS

 

O que é o blecaute alcoólico e por que é tão perigoso

14
12

É uma experiência já vivida por muitas pessoas: uma noite regada a bebidas alcóolicas que deixa poucas memórias no dia seguinte. Um blecaute. A amnésia causada pelo excesso de álcool ocorre quando o cérebro se torna incapaz de registrar os eventos transcorridos durante a bebedeira.

 

Isso porque circuitos do hipocampo, área do cérebro que tem papel crucial em consolidar as memórias do nosso cotidiano, são inibidos pelo álcool, explica o Instituto Nacional de Abuso do Álcool e de Alcoolismo dos EUA (NIAAA, na sigla em inglês). O resultado são falhas no sistema de registro cerebral.

 

Há dois tipos de blecautes. O mais comum, chamado blecaute fragmentado, é quando um indivíduo retém pedaços dispersos de memória, embora tenha se esquecido de alguns detalhes do que aconteceu enquanto estava embriagado. Essa pessoa talvez se lembre de ter bebido alguns drinques, mas não de quem pagou a conta. Nesses casos, especialistas afirmam que um esforço de memória muitas vezes ajuda a recordar os detalhes ausentes.

 

O segundo tipo, porém, é o blecaute total, ou "en bloc": uma amnésia severa que abrange um período de diversas horas. Em geral é difícil lembrar o que aconteceu, porque essa informação não chegou a ser registrada pelo cérebro.

 

É algo comum?

Blecautes fragmentados são bastante comuns, especialmente entre jovens consumidores de álcool, segundo estudos. Além da perda de memória, a constância de blecautes pode indicar que a pessoa tem um problema de saúde grave com a bebida - e isso pode desencadear também males de saúde de longo prazo, como no fígado.

 

Fonte: G1

 

 

Conheça a técnica e os benefícios da acupuntura

13
12

Para acabar com uma dor às vezes é preciso ligar os pontos. Há mais de 20 anos a acupuntura é reconhecida no Brasil. Mas por que a compressão de alguns pontos traz alívio nas dores e trata doenças tão diferentes?

 

As agulhas, quando aplicadas sobre algumas regiões específicas, são capazes de tratar diversas doenças físicas ou emocionais como sinusite, asma, enxaqueca ou artrite. Elas também podem melhorar o sistema imunitário.

 

Quando se aplica uma agulha em um determinado local, a energia é estimulada a fluir para determinados pontos. Esse estímulo viaja pelo corpo através de caminhos chamados meridianos. Ele, o estímulo, atinge terminações nervosas que são ligadas com órgãos e vísceras.

 

Entretanto, a acupuntura não serve apenas para a dor. As agulhas podem melhorar:

  • Problemas gastrointestinais

  • Distúrbios do sono

  • Sintomas associados a problemas hormonais nas mulheres

  • Estados emocionais alterados

  • Rinite, sinusite e asma

 

A acupuntura também age como terapia preventiva. Além de aliviar a dor também evita que ela aumente e comprometa outros locais.

 
Fonte: G1 Saúde
 

Butantan vai produzir vacina contra dengue no exterior

12
12

O Instituto Butantan assinou com a empresa norte-americana do setor farmacêutico Merck Sharp and Dhome (MSD) contrato de transferência tecnológica para desenvolvimento e comercialização no exterior de vacina de combate à dengue.

 

O acordo tem pagamento inicial de US$ 25 milhões, o que o coloca como o maior do gênero firmado pela indústria farmacêutica brasileira. O Instituto Butantan poderá receber até US$ 101 milhões, que serão investidos em pesquisa e na produção de vacinas pelo órgão, vinculado à Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo.

 

Um apoio não reembolsável no valor de R$ 120 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) permitiu ao Instituto Butantan desenvolver a vacina contra a dengue que está na Fase 3 de pesquisa clínica, isto é, sendo testada em humanos. Essa é a última etapa antes da solicitação de registro. Com o financiamento do banco, o instituto desenvolveu também um processo inovador de liofilização, com patente concedida em diversos países do mundo.

 

A liofilização transforma a vacina em pó, para ser reconstituída no momento da aplicação. Esse processo reduz o custo de armazenagem, ao mesmo tempo em que facilita seu transporte, beneficiando mais pessoas, especialmente as que moram em regiões mais longínquas.

 
*Texto adaptado de Agência Brasil.
 

Casos e óbitos por conta da Aids caem 16% nos últimos quatro anos no Brasil

29
11

“Indetectáveis”. Foi com esse grito, de mãos dadas, que pessoas que vivem com HIV deram início à cerimônia que marca os 30 anos de luta contra a aids. Elas comemoram o fato de terem sua carga viral em níveis sequer detectados em testes laboratoriais em razão da adesão ao tratamento com antirretrovirais. Dados do Ministério da Saúde mostram uma redução de 16% dos casos e óbitos por aids no país nos últimos quatro anos. Segundo a pasta, fatores como a garantia do tratamento para todos, a melhora do diagnóstico, a ampliação do acesso à testagem e a redução do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento contribuíram para a queda.

 

Os números revelam que, de 1980 a junho de 2018, foram identificados 926.742 casos de aids no Brasil – um registro anual de 40 mil novos casos. Em 2012, a taxa de detecção da doença era de 21,7 casos para cada 100 mil habitantes enquanto, em 2017, o índice era de 18,3 casos. No mesmo período, a taxa de mortalidade por aids passou de 5,7 óbitos para cada 100 habitantes para 4,8 óbitos. O boletim também aponta redução significativa da transmissão vertical do HIV – quando o bebê é infectado durante a gestação – entre 2007 e 2017. A taxa caiu 43%, passando de 3,5 casos para cada 100 mil habitantes para 2 casos.

 

Os dados mostram ainda que 73% das novas infecções por HIV no Brasil acontecem entre pessoas do sexo masculino, sendo que 70% dos casos é registrado entre homens que estão na faixa etária de 15 a 39 anos.

 

*Texto adaptado de Agência Brasil.

 

Os prejuízos causados por boatos no tratamento contra o câncer

09
11

A vulnerabilidade, a falta de acesso a um atendimento de qualidade e a grande circulação de informações sem base científica têm prejudicado o tratamento do câncer. Muito disso, deve-se a circulação de notícias falsas pelas redes sociais e sites não confiáveis. Uma mensagem errada compartilhada através do WhatsApp, por exemplo, poderá atingir milhares de pessoas. E, com isso, elas receberão a informação errada, sem embasamento, acreditando naquilo, sendo que, na realidade, é tudo enganação.

 

A fundadora da Oncoguia, psico-oncologista Luciana Holtz, faz o alerta sobre o tema. Ela que se dedica a prestar informações de qualidade aos pacientes.

 

Segundo ela, terapias alternativas, que não têm qualquer comprovação científica mas que prometem milagres, têm circulado com muita velocidade e podem atrasar ou mesmo fazer com que haja desistência de tratamentos.

 

O tema foi um dos destaques do Congresso Internacional de Oncologia D’or, realizado no Rio de Janeiro. Entre as notícias falsas que promovem confusão está também a que diz que ao fazer mamografia, as mulheres precisam proteger o pescoço porque há risco de câncer de tireoide, o que na verdade prejudica a imagem e o posterior diagnóstico.

 

Outra é a que diz que usar desodorante causa câncer de mama, tese sem qualquer comprovação científica.

 

Luciana destaca também que as falhas no atendimento do sistema de saúde contribuem para deixar as pessoas ainda mais vulneráveis às informações falsas.

 

A médica orienta que os pacientes busquem sempre informações oficiais de institutos, organizações e serviços de saúde que trabalham com câncer. A Oncoguia também disponibiliza um telefone gratuito para esclarecimento de dúvidas. O número é 0800 773 1666.

 

*Texto adaptadode Agência Brasil.

 
 

Os prejuízos causados por boatos no tratamento contra o câncer

09
11

A vulnerabilidade, a falta de acesso a um atendimento de qualidade e a grande circulação de informações sem base científica têm prejudicado o tratamento do câncer. Muito disso, deve-se a circulação de notícias falsas pelas redes sociais e sites não confiáveis. Uma mensagem errada compartilhada através do WhatsApp, por exemplo, poderá atingir milhares de pessoas. E, com isso, elas receberão a informação errada, sem embasamento, acreditando naquilo, sendo que, na realidade, é tudo enganação.

 

A fundadora da Oncoguia, psicooncologista Luciana Holtz, faz o alerta sobre o tema. Ela que se dedica a prestar informações de qualidade aos pacientes.

 

Segundo ela, terapias alternativas, que não têm qualquer comprovação científica mas que prometem milagres, têm circulado com muita velocidade e podem atrasar ou mesmo fazer com que haja desistência de tratamentos.

 

O tema foi um dos destaques do Congresso Internacional de Oncologia D’or, realizado no Rio de Janeiro. Entre as notícias falsas que promovem confusão está também a que diz que ao fazer mamografia, as mulheres precisam proteger o pescoço porque há risco de câncer de tireoide, o que na verdade prejudica a imagem e o posterior diagnóstico.

 

Outra é a que diz que usar desodorante causa câncer de mama, tese sem qualquer comprovação científica.

 

Luciana destaca também que as falhas no atendimento do sistema de saúde contribuem para deixar as pessoas ainda mais vulneráveis às informações falsas.

 

A médica orienta que os pacientes busquem sempre informações oficiais de institutos, organizações e serviços de saúde que trabalham com câncer. A Oncoguia também disponibiliza um telefone gratuito para esclarecimento de dúvidas. O número é 0800 773 1666.

 

*Texto adaptadode Agência Brasil.

 
 

Os prejuízos causados por boatos no tratamento contra o câncer

09
11

A vulnerabilidade, a falta de acesso a um atendimento de qualidade e a grande circulação de informações sem base científica têm prejudicado o tratamento do câncer. Muito disso, deve-se a circulação de notícias falsas pelas redes sociais e sites não confiáveis. Uma mensagem errada compartilhada através do WhatsApp, por exemplo, poderá atingir milhares de pessoas. E, com isso, elas receberão a informação errada, sem embasamento, acreditando naquilo, sendo que, na realidade, é tudo enganação.

 

A fundadora da Oncoguia, psicooncologista Luciana Holtz, faz o alerta sobre o tema. Ela que se dedica a prestar informações de qualidade aos pacientes.

 

Segundo ela, terapias alternativas, que não têm qualquer comprovação científica mas que prometem milagres, têm circulado com muita velocidade e podem atrasar ou mesmo fazer com que haja desistência de tratamentos.

 

O tema foi um dos destaques do Congresso Internacional de Oncologia D’or, realizado no Rio de Janeiro. Entre as notícias falsas que promovem confusão está também a que diz que ao fazer mamografia, as mulheres precisam proteger o pescoço porque há risco de câncer de tireoide, o que na verdade prejudica a imagem e o posterior diagnóstico.

 

Outra é a que diz que usar desodorante causa câncer de mama, tese sem qualquer comprovação científica.

 

Luciana destaca também que as falhas no atendimento do sistema de saúde contribuem para deixar as pessoas ainda mais vulneráveis às informações falsas.

 

A médica orienta que os pacientes busquem sempre informações oficiais de institutos, organizações e serviços de saúde que trabalham com câncer. A Oncoguia também disponibiliza um telefone gratuito para esclarecimento de dúvidas. O número é 0800 773 1666.

 

*Texto adaptadode Agência Brasil.

 
 

Até o fim do ano mais de 14 mil pessoas terão câncer de boca no Brasil

05
11

De segunda-feira (5) até sexta-feira (9), celebra-se no país a Semana Nacional de Prevenção do Câncer Bucal. A iniciativa é do Ministério da Saúde e tem como objetivo alertar a população sobre hábitos simples e saudáveis, como a boa higiene, não ingerir álcool e não fumar.

 

Dados revelam que o câncer de boca está mais presente entre homens e que 70% dos casos são diagnosticados em indivíduos com idade superior a 50 anos.

 

De acordo com o ministério, a doença afeta os lábios e o interior da cavidade oral. Dentro da boca, devem ser observados gengivas, bochechas, céu da boca e língua (principalmente as bordas), além da região embaixo da língua.

 

A estimativa de novos casos de câncer de boca para 2018, segundo o Instituto Nacional do Câncer , é de 14,7 mil, sendo 11,2 mil homens e 3,5 mil mulheres.

 

A Organização Mundial da Saúde estima que a prevenção pode ajudar a reduzir a incidência de câncer em até 25% até 2025.

 

Diante de alguma lesão que não cicatrize em um prazo máximo de 15 dias, a orientação do ministério é procurar um profissional de saúde, seja ele médico ou dentista, para a realização do exame completo da boca.

 

A visita periódica ao dentista favorece o diagnóstico precoce do câncer de boca, já que permite identificar lesões suspeitas.

Pessoas com maior risco para desenvolver câncer de boca são fumantes e consumidores frequentes de bebidas alcoólicas, segundo a pasta, devem ter cuidado redobrado.

Se diagnosticados no início e tratados da maneira adequada, a maioria dos casos desse tipo de câncer, cerca de 80% deles, tem cura. Geralmente, o tratamento envolve cirurgia oncológica e/ou radioterapia. A avaliação médica, conforme cada caso, vai decidir qual melhor forma de tratamento.

 

*Texto adaptado de Agência Brasil.

 
 
Proxima
 

© 2019 BML PATOLOGIA - Todos os direitos reservados | (47) 3326-2230 | contato@bmlpatologia.com.br