Bml - Uma extensão do seu Consultório

UMA EXTENSÃO DO SEU CONSULTÓRIO
EXAMES E LAUDOS ANATOMOPATOLÓGICOS CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS

Facebook

NOTÍCIAS

Exames genéticos podem ser aliados na detecção de problemas cardíacos

30
04
No 35º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj), que ocorreu neste mês, um dos temas debatidos foi o papel dos exames de DNA na detecção precoce de doenças que podem provocar morte súbita cardíaca. E tudo indica que, sim, há vantagem para o coração no rastreio, que tem ganhado espaço nos consultórios.
 
“A tendência é solicitá-lo já nas primeiras avaliações, quando há suspeita de uma cardiopatia hereditária, ou mesmo com o diagnóstico estabelecido, porque os familiares se beneficiam da detecção precoce”, explica Arsonval Lamounier Júnior, cardiologista que atualmente faz doutorado em Cardiopatias Familiares e Genética Cardiovascular na Universidade La Coruña, na Espanha.
 
A ideia é que, ao localizar mutações em alguns genes, os especialistas possam agir preventivamente para reduzir a possibilidade de uma pane no futuro. “Calcula-se que entre 15 e 20% dos casos de morte súbita cardíaca tenham origem genética”, continua Lamounier.
Dos distúrbios associados ao DNA, o mais comum é a miocardiopatia hipertrófica. Ela basicamente torna o coração maior que o normal, o que dificulta o bombeamento do sangue. A condição afeta uma a cada 500 pessoas.
 
Mas há muitos quadros possíveis aqui, de condições que acometem a aorta, principal artéria do corpo, a malformações congênitas, passando por alterações no metabolismo do colesterol e outras síndromes.
 

Novo genérico para pressão alta é aprovado no Brasil

26
04
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a comercialização de um genérico para o tratamento da pressão alta. Trata-se do perindopril erbumina combinado com indapamida, da farmacêutica EMS.
 
O acesso a mais uma droga contra a hipertensão promete ajudar os pacientes, principalmente considerando os custos. A medicação conta com dois princípios ativos. O primeiro é o tal perindopril erbumina, uma substância que dilata os vasos – e, assim, facilita a passagem de sangue.
 
O segundo medicamento autorizado, batizado de indapamida, é um diurético. Ele expulsa do organismo o excesso de sódio, um financiador da hipertensão, ao mesmo tempo que escoa líquidos que poderiam comprimir os vasos sanguíneos.
 
A droga de referência para esse genérico é produzida pela Servier. Agora, antes de fazer qualquer troca – nem que seja de um remédio de referência para um genérico –, é importante conversar com seu médico.

Testes de vacina contra o Aedes Aegipty podem atrasar no Brasil por falta de verbas

25
04
Pesquisadores estão prontos para iniciar testes em macacos com a vacina que pode ser a primeira do mundo a combater o Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela. 
 
No entanto, os estudos, feitos atualmente pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com a Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), o Instituto Butantan e a Fiocruz, correm o risco de serem paralisados por falta de verbas.
 
As pesquisas começaram há quatro anos. Os resultados indicam que a vacina pode induzir a produção de anticorpos que interferem no ciclo vital do mosquito, danificando seus sistema reprodutivo e até mesmo levando-o a morte. Ela não protege contra as doenças, mas promete eliminar o vetor. A vacina conquistou sua primeira patente no início deste ano. Outras quatro estão sendo analisadas.
 
Desde 2015 que as verbas destinadas a pesquisa vêm diminuindo nas universidades. Só no ano passado, o repasse previsto pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) passou de R$ 5,81 bilhões para R$ 3,27 bilhões quando 44% do orçamento foi congelado, na tentativa do governo federal de cobrir parte de um rombo de R$ 58 bilhões. A previsão para 2018 é que a pasta receba R$ 4,6 bilhões do orçamento da União. Há cinco anos, a verba era de R$ 9,4 bilhões.

Anvisa proíbe venda de lentes coloridas usadas para fantasias e cosplay

24
04
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a venda e o uso das lentes de contato coloridas Nipon Cosplay. O produto era comercializado pela internet sem cadastro nem registro.
 
Segundo o Conselho de Oftalmologia Brasileiro (COB), as lentes de contato coloridas, em geral, merecem mais atenção que as corretivas, utilizadas para substituir os óculos. As lentes de contato coloridas estão mais associadas a traumatismos na córnea. Além disso, não são fabricadas por grandes empresas da área, o que dificulta a sua regulamentação.
 
Isso ocorre porque as lentes coloridas são preenchidas por pigmento em grande quantidade. Essa impermeabilidade impossibilita a passagem do oxigênio, provocando alteração do epitélio e favorecendo o crescimento de bactérias que fazem parte da própria flora do corpo.
 
Forma-se a chamada ceratite infecciosa. Inicia-se com olhos vermelhos, sensação de areia nos olhos, seguido de ponto esbranquiçado no meio da córnea, que representa área de necrose do tecido. Dependendo do grau desta necrose – do nível de perfuração –, o dano causado pelas lentes coloridas pode levar à cegueira. Se tratada em 24 horas, há chance de cura.
 

Maconha pode piorar depressão ao longo do tempo

20
04
O uso periódico de maconha pode reduzir significativamente os níveis de ansiedade e estresse no curto prazo, mas contribuir para piorar sensações associadas à depressão ao longo do tempo. Essa foi a conclusão de estudo realizado pela Washington State University (EUA). Publicado no "Journal of Affective Disorders", autores pontuam que o estudo é inédito, principalmente porque foi feito com usuários que utilizam a maconha em casa.
 
A possibilidade desse desenho de estudo se deve à adoção de leis menos proibicionistas nos Estados Unidos em relação à maconha medicinal. Antes, a maioria dos efeitos da erva no humor eram medidos em ambiente controlado com comprimidos de THC (tetrahidrocanabinol), uma das principais substâncias presentes na erva.
 
Atualmente, 32 estados nos Estados Unidos possuem algum tipo de lei que regulamenta o uso da maconha para fins medicinais. O desenho do estudo também permitiu que fossem analisados diferentes tipos de maconha. Isso porque os efeitos da ervam podem variar a depender das concentrações de cada substância presente em sua composição.
 
A diferença mais conhecida entre os componentes da droga se dá entre dois compostos: o CBD (canabidiol) e o THC (tetrahidrocanabinol). Estudos realizados na USP, por exemplo, mostraram que os compostos interagem entre si (o CBD acaba modulando os efeitos do THC, composto tido como o mais responsável pelos efeitos psicoativos da planta).
 

Ministério da Saúde esclarece: É fake news! Não existe vírus H2N3 no Brasil

18
04

O Ministério da Saúde informou que não existe uma cepa “H2N3” de vírus da influenza no Brasil. Essa é uma informação inverídica que está circulando nas mídias sociais. Os vírus de influenza que atualmente circulam no Brasil são o influenza A/H1N1pdm09, A/H3N2 e influenza B. A vacina contra gripe, cuja campanha inicia no dia 23 de abril, protege contra estes tipos de três vírus.

O Ministério da Saúde se mantém vigilante quanto à circulação de vírus influenza no Brasil. O país possui uma rede de unidades sentinelas para vigilância da influenza, distribuídas em serviços de saúde em todas as unidades federadas. Com esta rede é possível monitorar a circulação do vírus influenza por meio da captação de casos de síndrome gripal (SG) e síndrome respiratória aguda grave (SRAG).

Em 2018, até 07 de abril, foram registrados 286 casos de influenza em todo o país, com 41 óbitos. Do total, 71 casos e 12 óbitos foram por A/H3N2. Em relação ao vírus A/H1N1pdm09, foram registrados 116 casos e 16 óbitos. Ainda foram registrados 52 casos e 6 óbitos por influenza B e os outros 46 casos e 7 óbitos por influenza A não subtipado. Em 2017, o vírus influenza A/H3N2 foi predominante no Brasil durante a sazonalidade e foram registrados 2.691 casos e 498 óbitos por influenza; até a SE 14 de 2017 haviam registrados 344 casos de influenza no país, com 59 óbitos.

 

Pneumonia é a terceira maior causa de mortes no mundo

17
04
Pela primeira vez, a pneumonia ganhou um panorama geral. Segundo o levantamento, realizado pela Universidade de Washington, nos Estados Unidos, ela provoca 2,7 milhões de óbitos todos os anos e é um problema grave em todo o planeta. 
 
E alguns país sofrem mais com ela que outros. É o caso das nações da África Subsaariana e do Sudeste Asiático, onde os sistemas de saúde são deficientes. Mas, diante disso tudo, ainda há uma boa notícia: a situação melhorou em vários países. A América Latina, onde está o Brasil, é considerada em situação regular. Por aqui a mortalidade sobe para 11 a cada 50 casos.
 
Em todo o mundo, a pneumonia é causada principalmente por duas bactérias. Em 55,8% dos casos foi a Pneumococo e em 8,3% a Haemophilus influenzae tipo B.
 
A vacina, que é indicada para crianças e idosos, é a principal forma de prevenção. Três doses protegem contra diversos agentes infecciosos. Além disso, apostar num cardápio variado e saudável também garante um sistema imune forte e preparado para lidar com ameaças.
 

Grãos com mofo podem esconder perigo: o câncer de fígado

16
04
Você já notou que os grãos de amendoim estão mofados? Costuma olhar as embalagens dos grãos antes de comprar? E antes de consumir? Sabe como identificar se eles estão mofados? Em Blumenau, constantemente consumidores tem relatado este problema nos supermercados. E é importante ficar atento, pois eles podem estar mofados ou embolorados.
 
O odor ou aparência estranha podem ser sinais de que os fungos tomaram conta. Por isso é melhor evitar o consumo. 
 
Os fungos, também denominados mofos ou bolores, são microrganismos multicelulares e filamentosos, que ao infestarem os grãos e alimentos podem produzir substâncias tóxicas tais como micotoxinas. E quando elas são ingeridas, inaladas ou absorvidas pela pele podem causar: estado de letargia, perda de peso, intoxicações, câncer e óbito em homens e animais.
 
No caso de grãos, eles podem ser infestados durante o cultivo ou no período pós-colheita. Os fungos do campo contaminam os grãos durante o cultivo por estes requererem ambientes com umidade relativa superior a 80%. Enquanto fungos do armazenamento demandam menor quantidade de água. Por isso, eles se proliferam com maior intensidade no período pós-colheita.
 
Como armazenar
Fungos não podem crescer (ou micotoxinas serem produzidas) em alimentos devidamente secos. Por isso a secagem eficiente dos produtos e a sua conservação sem umidade é arma eficaz contra o crescimento de fungos e a produção de micotoxinas.
 
Uma boa forma é manter esses alimentos em garrafas pet. Mas lembre-se, em locais secos. A umidade facilita a proliferação dos fungos e bactérias.
 

Pesquisadores desenvolvem vacina contra alergia a amendoim

13
04
Um estudo publicado no "Journal of Allergy and Clinical Immunology") demonstra como vacinas podem ser utilizadas com sucesso no tratamento de alergias.
 
Uma boa parte das alergias ocorre quando o sistema imunológico percebe alguns alimentos como "invasores" a serem atacados. Como se o amendoim virasse um vírus, por exemplo.
 
A partir dessa premissa, cientistas da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, desenvolveram uma vacina capaz de fazer com que o sistema imune não reaja a substâncias presentes no amendoim como se elas fossem atacar o organismo.
 
Em testes em camundongos, três doses mensais de uma vacina aplicada pelo nariz protegeram ratos de reações alérgicas. Ao todo, a vacina foi desenvolvida após quase duas décadas de estudo.
Os pesquisadores acreditam que a proteção contra a alergia seja duradoura e vão continuar acompanhando as cobaias.
 

OMS alerta para surto de sarampo nas Américas

12
04
A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) divulgou novos dados sobre o avanço do sarampo na região das Américas. Atualmente, são 11 países que notificaram casos confirmados da doença. Em março, eram oito.
 
Como muitos casos se devem a fluxos migratórios na região, o organismo internacional fez um alerta para que os países estejam preparados para vacinar a população suscetível.
 
"Tendo em vista as contínuas importações do vírus de outras regiões do mundo e os surtos em curso nas Américas, a OPAS/OMS insta os países e territórios a vacinar a população para manter uma cobertura homogênea de 95% com a primeira e a segunda dose da vacina contra sarampo, caxumba e rubéola em todos os municípios", diz o comunicado.
 
Casos no Brasil
O país mais afetado é a Venezuela com 279 casos. O Brasil aparece em segundo lugar por causa da migração de venezuelanos, especialmente na fronteira com Roraima. São 46 casos confirmados. Em Roraima são 34 cidadãos venezuelanos e oito brasileiros. Também há registro de casos de quatro casos de sarampo em brasileiros no Amazonas.
 
O Ministério da Saúde organizou uma campanha de vacinação nas regiões afetadas. O público-alvo é a população não vacinada, na faixa etária de 6 meses a 49 anos de idade.
 
Segundo nota divulgada pela OMS, a entidade está ajudando o governo brasileiro na contenção do surto de sarampo em Roraima e está apoiando um posto de vacinação em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela.
 
 

Anvisa facilita importação de remédio à base de maconha

11
04
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informa que, começaram a ser enviadas por e-mail as autorizações para a importação excepcional de canabidiol, derivado da maconha.
 
Segundo a agência, a medida tem o objetivo de dar mais agilidade ao processo de importação da medicação e minimizar gastos de envio das liberações que eram realizadas pelo correio.
 
O documento, portanto, passará a ser assinado eletronicamente, o que, segundo a Anvisa, traz mais segurança ao processo, pois cada autorização dispõe de um código verificador que possibilita a confirmação de sua autenticidade.
 
A Anvisa vem adotando, nos últimos meses, medidas para tornar o processo de importação dos produtos à base de canabidiol mais simples. O órgão ressalta que os requisitos para a solicitação de autorização para a importação dos produtos foram mantidos.
 

Brasil tem 328 mortos por febre amarela

10
04
Entre julho de 2017 e 3 de abril de 2018, o Brasil teve 328 mortes por febre amarela. No mesmo período entre 2016 e 2017, eram 220 óbitos. Os dados são de boletim do Ministério da Saúde.
 
O número de casos confirmados também aumentou 63% se comparados os dois períodos. Foram 691 contra 1127. O ministério recebeu 4.548 casos suspeitos da doença. Deles, 2.441 foram descartados e 980 estão em investigação.
 
O número de mortos por febre amarela diminuiu em relação ao período anterior. Segundo o Ministério da Saúde, isso se deve à constante revisão e investigação de óbitos e casos. Está em andamento uma campanha de vacinação em 77 municípios nos estados de Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro.
 

Ministério da Saúde tenta buscar respostas sobre resistências aos antimicrobianos

09
04
O Ministério da Saúde abriu dois editais para apoiar estudos no país sobre Resistência aos Antimicrobianos. A ação tem por objetivo buscar soluções para enfrentar esse crescente problema. Essas ações são parte do Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle de Resistência aos Antimicrobianos.
 
A resistência aos antimicrobianos (RAM) é a capacidade de um microrganismo de resistir aos efeitos dos compostos utilizados para tratá-los, como antibióticos antifúngicos, antivirais, entre outros. Atualmente, é considerada como uma das principais ameaças à saúde da população mundial. O uso desmedido e irracional de antibióticos tem contribuído para o aumento deste problema.
 
Segundo relatórios da Organização Mundial da Saúde (OMS), é crescente o nível de resistência mundial. A lista de bactérias resistentes sofreu significativo aumento, de 7, em 2014, para 12, em 2017. Isso significa que, sem uma ação urgente, infecções comuns podem voltar a ser fatais. O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, está desenvolvendo inúmeras ações de incentivo à pesquisa para oferecer respostas a esse problema.
 

Anvisa proíbe venda de 6 produtos para cabelo

05
04
Mais uma leva de produtos estéticos para o cabelo foram proibidos pela Agência Nacional de Vigilância sanitária (Anvisa). Nenhum deles tinha registro – o que impossibilita qualquer análise de segurança – e um apresentou até formol, uma substância que causa câncer.
 
Com a decisão, os itens “poderoso cremão”, “coisa de louco”, “verão” e “comigo ninguém pode” – todos da marca Madame Look – deixam de ser vendidos e distribuídos no brasil. O condicionador para cabelos normais da marca cocoricó também não será mais comercializado por falta de registro.
 
Alguns desses cremes alegavam hidratar o cabelo ou “amenizar a agressão da química em geral”. Mas, nenhum trazia qualquer comprovação de eficiência ou de que não ocasionava danos à saúde.
 
A situação mais preocupante envolve o alisante de cabelo BTX-Botox – Realinhamento Térmico. Além da ausência de cadastro na Anvisa, o cosmético possuía formol em sua composição, segundo um teste realizado.
 
E, para quem não conhece, essa substância provoca uma série de efeitos negativos, que vão de irritações na pele a câncer nas vias respiratórias – quando aquecido com a chapinha, o formol pode ser inalado.
 
Pouco tempo atrás, outros alisantes foram proibidos por conterem formol. Diante desse cenário, converse com o cabeleireiro e faça questão de utilizar produtos realmente confiáveis.
 

Dois novos remédios para psoríase chegam ao Brasil

04
04
Boa notícia para os cerca de 5 milhões de brasileiros com psoríase. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou recentemente mais dois remédios contra essa doença de pele crônica que promove descamações e lesões cutâneas.
 
Um deles é o guselcumabe, da farmacêutica Janssen. Indicado para casos moderados a graves, ele é um medicamento biológico que bloqueia a interleucina 23, uma proteína inflamatória associada à doença e aos seus sintomas.
 
Nos estudos que garantiram sua liberação, a droga garantiu uma redução de 90% dos sinais da psoríase após seis meses de aplicação. Isso de sete a cada dez pacientes tratados. E, em uma pesquisa mais recente, notou-se que 86% das pessoas mantiveram a melhora mesmo após um ano e meio.
 
O segundo medicamento aprovado contra a psoríase se chama apremilaste, da farmacêutica Celgene. Ao contrário do guselcumabe, esse é um fármaco sintético, que poderá entrar em cena para pacientes que não responderam ou têm alguma contraindicação contra terapias como as mencionadas acima.
 
A psoríase é uma doença crônica inflamatória da pele, que afeta cerca de 1,5% da população brasileira. Lesões, descamações e coceira são bem comuns – a severidade do quadro é definida, por exemplo, pela extensão das feridas e pelo impacto na qualidade de vida.
 

Quase 300 milhões de pessoas estão infectadas pela hepatite B em todo mundo

03
04
Um estudo traçou um cenário preocupante para a hepatite B no mundo, embora reconheça alguns avanços na luta pela erradicação da doença, o compromisso assumido para 2030 por 194 países durante a 69ª Assembleia da Organização Mundial da Saúde (OMS), realizada em 2015. De acordo com os cálculos dos pesquisadores do Observatório Polaris da Fundação Centro para Análise de Doenças, nos EUA, quase 300 milhões de pessoas estavam infectadas pelo vírus da hepatite B (HBV) em todo mundo em 2016, numa prevalência de 3,9%, mas 90% delas ainda não tinham sido diagnosticadas e só 5% das que deveriam estar sob tratamento o recebiam. Além disso, apenas 1% das mulheres grávidas infectadas – que têm grande risco de passarem o vírus para seus filhos e são a principal fonte da atual epidemia da doença – estavam sendo tratadas adequadamente para que isso não aconteça.
 
No Brasil, os números são em geral um pouco melhores que os do cenário global. Aqui, os pesquisadores estimam uma prevalência de 0,4% da doença em 2016, o que se traduz em um total de 760 mil casos. Destes, 212 mil (28%) foram diagnosticados, com 22,5 mil (12%) dos 184 mil doentes elegíveis para tratamento (carga viral de mais de 20 mil unidades internacionais de DNA do vírus por mililitro de sangue) em terapia. Em compensação, não foram registradas instâncias de mulheres grávidas infectadas recebendo antivirais para evitar passar o vírus aos filhos.
 
Deixada sem tratamento, a hepatite B pode provocar sérios problemas de saúde, incluindo doenças e câncer no fígado, causando estimadas 600 mil mortes anuais em todo mundo. Mas apesar de o vírus ser extremamente contagioso, transmitido principalmente de mãe para filho ou entre crianças, e não ter cura, nas últimas décadas uma série de avanços torna sua erradicação factível: desde 1981, uma vacina altamente eficaz está disponível, e a partir de 1992 a OMS passou a recomendar a vacinação de recém-nascidos, com a primeira de três doses devendo ser administrada até 24 horas depois do nascimento.
 
Ainda assim, menos da metade dos bebês nascidos em todo mundo em 2016 recebeu a primeira dose da vacina neste prazo. Neste ponto, o destaque negativo ficou com Reino Unido e Noruega, últimos países europeus a disponibilizar a vacina a recém-nascidos, o que só aconteceu no ano passado. Desta forma, ainda em 2016 1,8 milhão de crianças com cinco anos, ou 1,4% das com esta idade naquele ano, estavam infectadas pelo vírus.
 
 

© 2018 BML PATOLOGIA - Todos os direitos reservados | (47) 3326-2230 | contato@bmlpatologia.com.br