Bml - Uma extensão do seu Consultório

UMA EXTENSÃO DO SEU CONSULTÓRIO
EXAMES E LAUDOS ANATOMOPATOLÓGICOS CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS

Facebook

NOTÍCIAS

Anvisa concede registro a remédio para pacientes com atrofia muscular espinhal

29
08
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu o registro ao medicamento Spinraza, direcionado a pacientes com Atrofia Muscular Espinhal (AME), doença que atinge o sistema nervoso e causa perda dos movimentos e até mesmo da respiração. Um em cada 10 mil bebês sofrem da condição.
 
O remédio poderá ser adquirido como uma solução injetável e com a concentração de 2,4 mg/ml. Ele só poderá ser comercializado desta forma no Brasil. A AME é uma doença rara caracterizada pela degeneração dos neurônios responsáveis pela coluna vertebral. Os pais de bebês e crianças com a doença se reunem em campanhas há anos pedindo a liberação do medicamento.
 
Após a publicação da autoriação, haverá um procedimento para a determinação do preço pelo governo. Sem a necessidade de compra no exterior, espera-se que o Spinraza seja vendido por um valor mais acessível no Brasil. O remédio já é comercializado nos Estados Unidos, Europa, Japão e Canadá.
 

Pessoas com mais de 40 anos devem fazer teste para hepatite C

29
08
É o que diz uma nova campanha do Ministério da Saúde. Isso porque muita gente tem o vírus e não sabe, já que a Hepatite C é uma doença silenciosa, pode demorar anos para se manifestar. O vírus foi mapeado em 1989 nos Estados Unidos, mas o teste só passou a existir no Brasil no meio da década de 1990.
 
E para piorar, antes só usava seringa de vidro no Brasil e agulha reutilizável , e isso contribuiu para a disseminação do micro-organismo. A seringa de plástico só veio depois. E de acordo com o Ministério, 1,5 milhão de pessoas podem portar o vírus e não saber. 
 
E foi esse cenário que estimulou o lançamento de campanha para a detecção precoce de hepatite C. A iniciativa partiu da Sociedade Brasileira de Hepatologia e da Sociedade Brasileira de Infectologia. E por esse fatores todos que a população acima de 40 anos é o alvo da campanha.
 
A hepatite C é uma lenta e gradual inflamação do fígado que, no limite, pode levar à cirrose e ao câncer hepático. Com isso, o órgão que tem a importante função de eliminar substâncias tóxicas do corpo pela filtragem do sangue, fica totalmente comprometido.
 
O diagnóstico é feito pelo teste anti-HCV, que identifica anticorpos no sangue que tentaram lutar contra o vírus. O teste está disponível no Sistema Único de Saúde.
 

Anvisa planeja nova mudança no rótulo dos alimentos

27
08
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária planeja criar novas regras para os rótulos dos alimentos. A última mudança foi a exigência de que os fabricantes informem a presença de alergênicos e de lactose.
 
A ideia da Anvisa é exigir o uso de cores que alertem para ingredientes em excesso. Altas quantidades de sódio, por exemplo, poderiam estar marcadas em vermelho. Outra ateração deve ser o uso de figuras geométricas para sinalizar substâncias que podem fazer mal.
 
Pesquisas realizadas pelo órgão apontam que a atual tabela nutricional é difícil de compreender. Segundo a Anvisa, o formato é pouco atrativo e exige esforço do consumidor. Também são necessários conhecimentos nutricionais para entendê-la.
 
O tema está na agenda regulatória da agência e reuniões periódicas estão sendo organizadas. para debater o tema. Uma consulta pública também deve ser realizada nos próximos meses.
 

OMS alerta para escassez mundial de antídotos para venenos de cobras

27
08
Mais de 100 mil pessoas morrem anualmente no mundo em consequência de picada de cobra, e o número de mortes pode aumentar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta para a escassez de soro antiofídico em nível mundial.
 
O problema é particularmente grande na África. Até 30 mil pessoas morrem por ano no continente após serem picadas por serpentes. A empresa farmacêutica francesa Sanofi Pasteur encerrou a produção do preparado Fav-Afrique em 2014, produto eficaz contra o veneno de muitas serpentes africanas, por combinar antídotos contra o veneno de várias cobras. Entre outros, o Fav-Afrique age contra o veneno de biútas, víboras, najas e mambas.
 
Cada veneno precisa de um antídoto específico, já que nem todos os antídotos ajudam com todos os gêneros de cobra. Quando uma taipan asiática ataca, apenas um antídoto feito a partir do veneno do mesmo gênero de cobra é eficaz. Por isso, o soro do veneno de cobras indianas tem pouco efeito na África.
 

Número de mortes por gripe cai mais de 80% em 2017

23
08
Uma boa notícia. Os óbitos provocados pelos vários subtipos do influenza, o vírus da gripe, caíram 82,4% esse ano, levando-se em conta o mesmo período do ano anterior (de janeiro a agosto de 2016).
 
Entre janeiro e agosto de 2017 (considerada a 32ª semana epidemiológica), o Brasil registrou 341 mortes provocadas por algum tipo de influenza. Já nesse intervalo em 2016, 1944 óbitos foram confirmados. As informações são de boletim epidemiológico publicado periodicamente pelo Ministério da Saúde.
 
Do total de óbitos esse ano, no entanto, os idosos foram mais afetados quando considerados o número total de mortes. Enquanto em 2016, eles representavam 41,6%; até agosto desse ano, eles foram 68,8% do total.
 
Cardiopatas figuram em segundo entre os mais atingidos. Em 2016, eles foram 28,8% do total de mortes; já esse ano, representam 41,3% do total. A participação de diabéticos e de portadores de pneumopatias crônicas no número de mortes também cresceu. A única diminuição percentual foi notada entre obesos, de 16,9% em 2016 para 11,9% em 2017.
 
O estado com maior número de óbitos por influenza é São Paulo, com 32,6% em relação ao país.
 

Estudo diz que Zika age como HIV e ‘derruba’ sistema imune de gestantes

23
08
O vírus zika 'derruba' o sistema imunológico de mulheres grávidas e, com isso, atravessa a placenta, chega até o feto e provoca as anomalias registradas em recém-nascidos.
 
Para chegar a essa conclusão, um estudo na Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, testou cepas africanas e asiáticas do vírus zika em amostras de sangue de homens saudáveis, mulheres não grávidas e gestantes entre 18 e 39 anos.
 
Após testes, eles observaram que a cepa africana diminuiu a imunidade em 10%, enquanto a cepa asiática foi ainda mais agressiva e suprimiu em 40% o sistema imunológico de gestantes.
Segundo autores, a pesquisa é a primeira a relatar que o vírus visa células de defesa específicas, prejudicando o sistema imunológico de mulheres grávidas de forma parecida com ação do vírus HIV.
 
A pesquisa, publicada na última edição da “Nature Microbiology”, foi feita por Suan-Sin Foo, Jae Jung e colegas da Universidade da Carolina do Sul. Na análise, pesquisadores observaram que a cepa asiática do vírus zika “ilude" o sistema imunológico. Quando a célula de defesa chega para lutar contra o vírus, o zika as transforma em “macrófagos M2” -- tipo de célula que avisa todo o sistema imune que a ameaça acabou.
Cientistas explicam que normalmente mulheres grávidas já produzem macrófagos M2 – uma vez que o sistema imune entende o feto como uma ameaça.
 
Assim, elas normalmente já são mais vulneráveis a infecções e, com a chegada do zika, a situação fica pior. Nelas, o que o vírus zika faz é aumentar a produção de macrófagos M2, desativando ainda mais o sistema imunológico.
 
Cientistas observaram ainda que o sistema imune fica ainda mais suprimido no primeiro e segundo trimestres da gravidez, informação consistente com achados anteriores.
 

Antibióticos podem diminuir capacidade do corpo de lutar contra doenças

21
08
Pesquisadores da Universidade da Virgínia, nos EUA, mostraram que antibióticos podem interferir na capacidade do organismo de combater uma doença. Isso porque, ao afetarem bactérias comuns que habitam o intestino, esses medicamentos acabam também por enfraquecer o sistema imune. A pesquisa foi publicada na revista científica "PLos Pathogens”. Cientistas estavam buscando entender o papel da microbiota intestinal na colite amebiana, infecção parasitária comum em países em desenvolvimento.
 
Para isso, analisaram amostras de fezes de crianças nas favelas urbanas de Dhaka, Bangladesh, e mostraram que aquelas com infecções mais severas tinham menos diversidade em bactérias que habitam o intestino.
 
O estudo aponta que o uso de antibióticos é muito comum em países de baixa renda, com crianças sendo alvo de muitos tratamentos nos primeiros anos de vida. Por fim, para testar mais diretamente a relação de antibióticos com o sistema imune, pesquisadores deram medicamentos para camundongos e perceberam que a alteração da microbiota do intestino provocada pelos medicamentos diminuía a atividade dos neutrófilos, importantes células de defesa do organismo. Mas lembre-se, isso não quer dizer que eles não devem ser tomados. Caso seu médico prescreva, continue tomando.
 

Maratonas de sérias afetam qualidade do sono

20
08
Desde que os serviços de streaming (como o Netflix, por exemplo) surgiram, fazer maratona de séries, ou seja, assistir a vários episódios de uma série de uma só vez, se tornou algo bastante comum. Mas, um estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of Clinical Sleep Medicine, diz que a prática pode deixar as pessoas cada vez mais alertas, prejudicando a qualidade do sono.
 
Para investigar os hábitos de entretenimento dos jovens e suas relações com o sono, pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, entrevistaram 423 pessoas entre os 18 e 25 anos, durante um mês, sobre o uso de dispositivos móveis, televisão e computador. A maioria dos estudantes, cerca de 80%, disse que já fez maratonas de séries, e 40% disseram ter feito recentemente, durante o próprio período de estudo – entre eles, 28% ˜maratonaram˜ mais de uma vez e 7%, quase todos os dias.
 
Os homens disseram fazê-las menos do que as mulheres, mas assistiam quase o dobro de episódios por sessão. Já sobre a qualidade do sono, os participantes dormiam, em média, sete horas e 37 minutos por noite – mesmo assim, os que costumavam fazer as maratonas com mais frequência mostraram maior cansaço e pior qualidade do sono comparados àqueles que não.
 
Segundo os pesquisadores, o estado de alerta causado pelos episódios seria a razão disso, pois ele continua mesmo após o fim da sessão e afeta o sono. De acordo com Liese Exelmans, principal autora do estudo, “o enredo desses seriados tende a prender o espectador. Eles se envolvem intensamente com o conteúdo e podem continuar pensando na série quando decidem dormir”.
 
Muitas vezes essa vontade de continuar assistindo é intencional. Segundo os especialistas, as pessoas ficam tão absortas que não percebem que o “só mais um episódio” é repetido diversas vezes. “Isso atrasa o adormecer ou, em outras palavras, requer um período mais longo para ‘esfriar a mente’ antes de dormir, afetando o sono em geral”, explicou Liese. “Eles podem não querer assistir muito, mas acabam fazendo isso de qualquer maneira.”
 

Estudo diz que não existe "obesidade saudável”

17
08
Nem todo obeso tem diabetes, hipertensão, colesterol alto ou outro indicador claro de risco cardiovascular. No entanto, um estudo publicado no periódico científico European Heart Journal contraria a ideia de que pessoas acima do peso e livres de doenças podem ser consideradas completamente saudáveis.
 
A ponderação é fruto de uma revisão de dados de aproximadamente 500 mil voluntários. Desses, 7.637 apresentaram problemas cardiovasculares ao longo dos 12 anos em que foram acompanhados por pesquisadores do Imperial College London e da Universidade de Cambridge, ambas na Inglaterra.
 
Cruzando as informações médicas desses participantes, os cientistas britânicos observaram que a turma com sobrepeso ou obesidade e sem hipertensão, níveis anormais de colesterol e açúcar no sangue ainda assim era mais propensa a panes no peito. Em comparação aos magros saudáveis, a obesidade, por si só, aumentou o risco de infarto e afins em 28%. Agora, O pior cenário segue sendo o de pacientes com gordura de sobra que já manifestam colesterol alto ou outro mal.
 
Na visão dos responsáveis pelo levantamento, tal conclusão indica que é uma questão de tempo para o organismo demonstrar sinais do efeito negativo do excesso de gordura corporal. Às vezes, o primeiro sintoma pode ser um ataque cardíaco. “Manter um bom peso é uma chave para preservar o coração”, reforçou, em comunicado à imprensa, o professor de cardiologia molecular Metin Avkiran, membro da Fundação Britânica do Coração, uma das financiadoras do trabalho.
 
Mas é importante lembrar: nenhum estudo justifica a discriminação de pessoas acima do peso.
 
 

Brasil endurece regras para controle do colesterol

16
08
A Sociedade Brasileira de Cardiologia atualizou a Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção de Aterosclerose e alterou os valores de referência para colesterol e triglicérides. Agora os cardiologistas terão novos parâmetros para delimitar a taxa de colesterol ruim (LDL) em exames. Foram modificados os limites considerados ideais para pacientes em perfis de risco, que já sofreram ou sofrem de problemas cardiovasculares.
 
A mudança atinge principalmente o índice do chamado colesterol ruim. Isso quer dizer que, os novos exames de colesterol indicarão os valores de referência conforme o risco cardíaco do paciente. O ideal era de 70 miligramas por decilitro de sangue, agora passa a ser de 50 miligramas para pessoas com risco cardíaco muito alto (quem já sofreu infarto, derrame ou amputações devido à doença arterial).
 
Os diabéticos entram no grupo de alto risco e devem ter o LDL abaixo de 70 miligramas por decilitro. O índice para pessoas sem fatores de risco é de até 130 mg/dl. Com o novo parâmetro, o país passa a ser o mais rígido no controle do colesterol. De acordo com André Fleuri, presidente do Departamento de Aterosclerose da SBC, “quando uma pessoa que infartou via que o valor ideal [de colesterol ruim] era abaixo de 160, nem voltava ao médico. Mas, para ele, a meta tem de ser mais baixa”.
 

Alimentos ‘diet’ podem engordar mais que as versões originais

15
08
Ao contrário do que se acredita, bebidas e alimentos diet podem promover o ganho de peso e servir de gatilho para o diabetes. De acordo com um estudo publicado recentemente, quando os produtos são doces demais para as calorias que contêm, eles podem confundir o cérebro e desacelerar o metabolismo.
 
Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade Yale, nos Estados Unidos, descobriram que, ao ingerir um alimento adoçado artificialmente no qual a doçura continua igual a da versão original, mas com uma quantidade de calorias bem menor, o metabolismo desacelera e não registra a dose ingerida.
 
Ao longo da nossa evolução, o cérebro aprendeu que doçura sinaliza energia. Portanto, quanto mais doce, maior energia ou calorias um alimento fornece. Quando esses dois fatores não estão juntos, o cérebro fica confuso, achando que tem menos calorias para queimar do que o que foi ingerido de fato.
 
De acordo com Dana Small, professora de psiquiatria da instituição e principal autora do estudo, “uma caloria não é uma caloria. Ela é apenas metade da equação. Nossos corpos evoluíram para usar eficientemente as fontes de energia disponíveis na natureza. A dieta moderna, entretanto, é caracterizada por fontes de energia que nossos corpos nunca viram antes.”.
 
No estudo, os pesquisadores analisaram, por meio de imagens de ressonância magnética, o cérebro de 15 participantes enquanto tomavam bebidas diet e a versão normal. Também foi monitorada a quantidade de energia gasta pelo corpo após esses eventos. Os resultados mostraram que há um ‘desencontro’ entre doçura e quantidade de calorias, o que geralmente acontece em bebidas e alimentos diet, as calorias falham ao desencadear o metabolismo do corpo. Observou-se também que os circuitos de recompensa do cérebro não registraram o consumo de calorias, o que poderia levar a pessoa a comer mais do que o necessário.
 

SUS vai oferecer testes rápidos contra dengue e chikungunya

14
08

O Sistema Único de Saúde incluiu os testes rápidos para detecção de dengue e chikungunya na lista de procedimentos. Isso diminui os custos, já que não será necessário utilizar a estrutura dos laboratórios.

 

A comprovação da infecção sai entre 20 e 30 minutos com os testes rápidos. Para fazer o teste na rede pública, é preciso apresentar sintomas relacionados às uma das doenças e ter o cartão do SUS, que pode ser feito em qualquer unidade de saúde.

 

No ano passado a Agência Nacional de Saúde (ANS), determinou que os planos estão obrigados a cobrir os exames, embora alguns pacientes tenham relatado problemas com a cobertura.

Os testes rápidos são importantes para a detecção e para o tratamento precoce da dengue e da chikungunya. Também ajuda no controle dos dados pelos órgãos de saúde, já que será possível ter maior capacidade de percepção sobre a circulação dos vírus no País.

 

Atualmente o SUS já oferece testes rápidos para outras condições, como HIV e hepatite.

 

Robôs buscam novos medicamentos para doença degenerativa

11
08
Robôs de inteligência artificial estão acelerando a corrida para encontrar novos medicamentos para combater a esclerose lateral amiotrófica (ELA). A enfermidade, também conhecida como doença de Lou Gehrig, ataca e mata as células nervosas que controlam os músculos, provocando fraqueza, paralisia e, por fim, insuficiência respiratória.
 
Existem apenas dois remédios aprovados pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA para retardar a progressão da esclerose lateral amiotrófica, uma disponível desde 1995 e outra aprovada apenas este ano.
 
Cerca de 140.000 novos casos são diagnosticados por ano no mundo todo e não há cura para a doença, conhecida por afetar o físico Stephen Hawking. Diagnosticado com a condição aos 21 anos, ele vive em uma cadeira de rodas e se comunica por computador.
 
Softwares complexos executados por computadores poderosos trabalham como super-pesquisadores incansáveis e imparciais. Eles analisam enormes bancos de dados químicos, biológicos e médicos muito mais rápido do que o humanamente possível, produzindo novos alvos biológicos e possíveis remédios.
 

Estudo da Fiocruz reforça que pernilongo pode transmitir Zika

10
08

Com a rápida expansão do zika em território brasileiro nos últimos anos, há um tempo pesquisas na Fiocruz tentam indicar se outros vetores, além do Aedes aegypti, são capazes de transmitir o vírus.

 

A desconfiança maior recaiu sobre o pernilongo Culex quinquefasciatus que, como o Aedes, é comum em áreas urbanas. A Fiocruz, então, foi investigar se o mosquito é capaz de transmitir o zika, e agora, após o sequenciamento genético parcial do vírus encontrado no mosquito, pesquisadores afirmam que há dados consistentes capazes de sugerir que o Culex é transmissor do zika em Recife.

 

O estudo foi publicado no "Emerging Microbes & Infections", publicação do grupo “Nature". No Recife, a população de Culex é maior que a do Aedes. A hipótese era que, se o pernilongo fosse um vetor, isso poderia explicar o porquê do zika ter se espalhado com relativa rapidez por lá e no Brasil.

 

A Fiocruz já sequenciou genoma do zika coletado em humanos. O artigo foi publicado na revista "PLos" em 2016. Agora, a diferença foi que o vírus sequenciado foi obtido do mosquito coletados em Pernambuco. Semelhanças entre os dois sequenciamentos se somam ao corpo de evidências de que o Culex tem potencial para ser um vetor.

 

SUS vai disponibilizar medicamento para pacientes com metástase de câncer de mama

09
08
O Sistema Único de Saúde vai disponibilizar em breve um medicamento para um tipo de câncer de mama mais agressivo, já em fase de metástase. O trastuzumabe, usado para dobrar a sobrevida dos portadores da doença está previsto para chegar ao mercado em até 180 dias pelo Ministério da Saúde.
 
A droga é cara, custa, em média, R$ 10 mil a dose, e já é aplicada há mais de 15 anos. O medicamento bloqueia a ação do gene da doença, o que evita a proliferação. Algumas organizações brasileiras, como a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, pedem que o acesso a esta forma de tratamento seja de acesso a todos os tipos de pacientes.
 
O governo já havia liberado o uso para pacientes com o câncer em 2012, mas excluía os metastáticos (pacientes que tem foco da doença em outros locais do corpo). Mais de 3 mil pessoas com câncer de mama inicial e localmente avançado fazem o uso do trastuzumabe pelo SUS.
 

Em Santa Catarina, 37 mil crianças precisam tomar a segunda dose da vacina contra a gripe

09
08
A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina alerta que 37.155 crianças devem ser levadas aos postos de saúde para receber a segunda dose da vacina contra a influenza no estado. Esse montante equivale a 51,71% das 76.944 crianças que receberam a vacina pela primeira vez este ano. 
 
Todas as crianças que recebem a vacina pela primeira vez na vida devem tomar duas doses, com intervalo mínimo de 30 dias, para completar a imunização contra a doença. Para aquelas crianças que já haviam sido vacinadas contra influenza em anos anteriores, a segunda dose não é necessária.
 
De acordo com o levantamento feito pela Dive/SC, 40.700 doses de vacina contra a influenza ainda estão disponíveis nos postos de saúde do estado, para atender esse público. Em Blumenau,  7.892 crianças tomaram a primeira dose, e precisam tomar a segunda.
 
 

Exame de sangue que pode detectar metástase de câncer de mama está em fase de testes

07
08
Pesquisadores dos Estados Unidos estão testando um exame de sangue capaz de detectar com antecedência se células do câncer de mama tendem a se disseminar para o cérebro. Esse teste se baseia na detecção de uma espécie de “assinatura genética” de células de tumores metastáticos, o que permite diferenciá-las de outras estruturas do tumor, mais antigas.
 
De acordo com os cientistas, o exame é particularmente importante, porque cerca de 20% dos cânceres de mama vão sofrer metástase para o cérebro com o passar do tempo. O artigo foi publicado na última sexta-feira, dia 4 de Agosto, na revista “Nature Communications" e se baseia em linhas de pesquisa que têm ganhado força no estudo de tumores metastáticos: as que investigam as chamadas “Células Circulantes de Tumor” (CTC, na sigla em inglês).
 
O feito do grupo de Houston foi confirmar que as CTCs de tumores de cérebro são diferentes de outras células circulantes. A investigação dessas células para diferentes tipos de câncer é forte candidata para o desenvolvimento de variados testes capazes de analisar a progressão do câncer no futuro e, com isso, permitir com que intervenções sejam feitas mais rapidamente.
 

ANS quer mudar regras de portabilidade dos planos de saúde

06
08
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou que vai mudar as regras para fazer a portabilidade de operadora de planos de saúde. O assunto foi colocado em consulta pública para receber sugestões da sociedade antes de entrar em vigor.
 
Uma das principais mudanças propostas é o fim da chamada “janela”, tempo mínimo que o beneficiário precisa esperar para mudar de plano. Hoje, o pedido de troca tem uma carência de 120 dias contados após o 1º dia do mês de aniversário do contrato.
 
Segundo a ANS, com a nova regra, a troca de plano poderá ser feita a qualquer momento após o prazo de permanência ser cumprido. A regra atual, segundo a ANS, impede que beneficiários que não são adequadamente assistidos pela operadora deixem imediatamente o plano.
 
A norma proposta também amplia a portabilidade para beneficiários de planos coletivos empresariais, que contempla 66,4% dos beneficiários de planos médico-hospitalares, ou cerca de 31,5 milhões de pessoas. Pela norma em vigor, apenas beneficiários de planos individuais ou familiares e coletivos por adesão podem fazer a portabilidade.
 
Outra medida é a que a exigência em se contratar um tipo de cobertura compatível com a do plano anterior seja substituída pela exigência de carências para as coberturas não previstas. Ou seja, o beneficiário cumpriria a carência apenas para as coberturas que não existiam no outro plano.
 

Doadoras de leite materno poderão ter isenção de taxas em concursos públicos em Blumenau

03
08

Tramita na Câmara de Vereadores de Blumenau um projeto de lei que pretende beneficiar mulheres que doam leite materno. A ideia é de que elas não precisem pagar taxas de concursos públicos do município. 

 

O vereador Marcos da Rosa, autor da proposta, justifica que o objetivo do projeto é incentivar as mulheres em fase de amamentação a fazer as doações ao Banco de Leite Humano. De acordo com o texto, ficariam isentas do pagamento de taxas de inscrição em concursos públicos e em processos seletivos internos realizados pelos poderes executivo e legislativo da cidade, as candidatas que tenham feito a doação pelo menos 3 vezes nos 12 meses anteriores à publicação do edital do concurso.

 

A proposta tramita nas comissões do legislativo, para só depois ser levada para ser votada em plenário. Se for aprovada, segue para sanção do prefeito Napoleão Bernardes. 

 

Em Blumenau, o Banco de Leite Humano fica junto ao Centro de Saúde Rosânia Machado Pereira, em frente a Policlínica, na Rua 2 de Setembro. A unidade funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h, e pode ser contatada pelo telefone 3381-7570. Atualmente, o Banco de Leite coleta cerca de 200 litros por mês.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o aleitamento materno é a melhor opção de alimentação para crianças pequenas e deve acontecer pelo menos durante os dois primeiros anos de vida. Nos seis meses iniciais, a recomendação dos órgãos é para que a amamentação ocorra de forma exclusiva, devendo ser complementada após essa idade, com a introdução de outros alimentos.

 

 

Cresce número de homens com transtornos alimentares

01
08
O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido divulgou uma pesquisa que mostrou um aumento de 70% na taxa de homens com transtornos alimentares nos últimos seis anos, na faixa etária de 41 a 60 anos. De acordo com os especialista, esse dado se deve à pressão social para a perfeição do corpo, fomentada pelas redes sociais.
 
O estudo revelou que o crescimento foi de 67% para os que têm de 26 a 40 anos, e de 63% para os que têm entre 19 e 25 anos. Apesar do expressivo aumento na população masculina, a maioria que foi diagnosticada, nesse mesmo período, ainda é formada por mulheres. Os pesquisadores registraram um aumento de 61% para mulheres de 19 a 25 anos e de 76% entre as de meia-idade.
 
Especialistas em saúde afirmaram ao jornal britânico "The Guardian" que a cultura popular e as mídias sociais pressionam as pessoas a buscarem a imagem de um corpo perfeito. Para contornar os dados atuais, eles disseram ser necessário haver maior conscientização social sobre transtornos alimentares, porque isso pode encorajar os pacientes a falar sobre seus problemas e dificuldades.
 
 
 

© 2018 BML PATOLOGIA - Todos os direitos reservados | (47) 3326-2230 | contato@bmlpatologia.com.br